Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10366/137121
Derecho penal del enemigo: análisis de un modelo político-criminal: Profile on PlumX
Título : Derecho penal del enemigo: análisis de un modelo político-criminal
Autor(es) : Pedrolli Serretti, André
Director(es) : Schiaffo, Francesco
Palabras clave : Tesis y disertaciones académicas
Universidad de Salamanca (España)
Tesis Doctoral
Academic dissertations
Derecho penal
Criminalidad
Clasificación UNESCO: Research Subject Categories::LAW/JURISPRUDENCE::Criminal law
Fecha de publicación : 2017
Resumen : [ES] Como producto de los nuevos retos de la política criminal contemporánea de matiz funcionalista, nace teóricamente, la Teoría del Derecho Penal del enemigo, de los estudios de Günther Jakobs, que busca dar respuesta normativa a estos nuevos retos de forma eficiente, con el fin de minimizar a las amenazas al funcionamiento del Sistema Social, lo que tiene importancia para el Derecho Penal, de acuerdo con dicho autor. Esta teoría establece que un ser humano que no presenta garantía cognitiva alguna para la sociedad, que no ofrece la menor condición de atender a las mínimas expectativas normativas necesarias y esenciales para la vida en sociedad, debe ser tratado por el sistema social de forma diferente de la forma utilizada para el ciudadano regular, aquel que se presenta hábil para cumplir con sus deberes de diligencia y respeto a los derechos ajenos, consubstanciados en las expectativas normativas institucionalizadas por el sistema social. Modelos de política criminal típicos de la teoría del Derecho Penal del Enemigo, en los últimos años, vienen siendo adoptados por las legislaciones occidentales, siendo respaldados por la jurisprudencia de sus propios países incluso por parte de los más altos tribunales, y justificados por la doctrina en diversos sitios del mundo. Dicha teoría establece que debe haber dos Derechos Penales, para diferentes clases de personas en la sociedad, de acuerdo con lo que se explicará. En la doctrina todavía no son – y creo que nunca lo serán – dominantes las ideas justificadoras del Derecho Penal del enemigo. La persona que por primera vez identificó institutos típicos del Derecho Penal del enemigo fue Günther Jakobs , que lo hizo en el marco de su teoría funcional del Derecho Penal. Jakobs sostiene que fundamenta su forma sociológica de observar el derecho penal en la Teoría funcional de Sistemas Sociales de Niklas Luhmann. Siempre es necesario investigar los fundamentos filosóficos y sociológicos de los institutos y teorías del Derecho Penal, para que se pueda entender sus orígenes y funciones, lo que permite una mejor comprensión acerca del tema. Innumerables juristas pertenecientes a la tradición romano-germánica atacan la teoría del Derecho Penal de Enemigo de muchas formas, con base en algunas teorías de origen epistemológico distinto, especialmente las teorías del Garantismo Penal y del Neoconstitucionalismo, la primera de matiz iusnaturalista y la segunda de carácter iuspositivista, sosteniendo la inconstitucionalidad total de entrada de la teoría del Derecho Penal del Enemigo. Lo que se propone en este trabajo es, desde un análisis de los ordenamientos jurídicos de España, Italia y Brasil, ir más allá de levar realizar una revisión bibliográfica de las críticas que se hace al Derecho Penal del enemigo, que parten, en general, desde un punto de vista externo, investigarlo y criticarlo de una forma interna, analizando sus presupuestos y la realidad que propone implementar y, al final, encontrar una respuesta a los fenómenos de macrocriminalidad conforme a la Constitución.
[IT] Il recente dibattito sulla Teoria del Diritto Penale del Nemico rappresenta il necessario bilanciamento tra la lotta al fenomeno criminale di massa e l'effettiva difesa del diritti umani fondamentali. In questo "lavoro" si rappresenta una teoria de politica criminale chiamata Diritto Penale del Nemico ed il camino che ha reso possibile la legittimazione formale e materiale delle leggi basate su questi valori. Per rendere ciò attuabile sono estate ricercate le fonti sociologiche e filosofiche che sostengono tale teoria e le caratteristiche proprie di alcuni tipi di criminalità contemporanea, che rappresentano altresì le ragioni fondanti di questi nuovi sistemi criminali presenti in vari paesi, ma specificatamente Spagna, Italia e Brasile. Tale Teoria è la sommatoria delle idee e delle linee-guida che rappresentano il cuore di tutte le legge finalizzante alla lotta al crimine organizzato ed al terrorismo. Infatti, la Diritto Penale del Nemico è stata oggetto di studio e consecutivo dibattito negli ultimi diciotto anni, nella storia del Diritto Penale dell'Europa Continentale ma tutt'oggi non si è riusciti a trovare una soluzione comune che accordi il pensiero dei vari ricercatori sulle leggi emanate e sulla teoria sopracitata. Nonostante il successo conseguito all'approvazione delle leggi che reprimono il fenomeno mafioso internazionale, come la possibilità della effettiva della polizia procedere all'arresto degli affiliati e della confisca dei beni ottenuti illegalmente, frutto di attività illegale, questo tipo di legiferazione risulta essere vista come una sorta di violazione dei diritti fondamentale costituzionalmente garantiti, perché prevede un tipo di repressione eccessivamente dura nei confronti degli appartenenti alle organizzazioni di stampo mafioso rispetto che agli altri tipi di criminalità. Nella prima parte della ricerca si cerca di comprendere le origini filosofiche e sociologiche della per riuscire a fornire la panoramica "retro-esistente" alle leggi ispirate dalla Teoria del Diritto Penale del Nemico. Nella seconda parte si analizzano sistematicamente le leggi per verificare se effettivamente sussistano violazioni dei diritti umani o qualche tipo di trattamento inumano, per poterlo eventualmente identificarlo e trovare alternative che siano altrettanto incisive per combattere questo genere di criminalità e che non figurano essere in contrasto dei diritti umani. È necessario puntualizzare questo, perché l'incremento delle recenti azioni terroristiche e criminali gravi risultano essere attualmente al centro del dibattito del diritto penale del nostro tempo all'interno della nostra società. L'inesistente accordo tra gli studiosi del Diritto Penale sulla mancanza o esistenza reale della necessità sociale di contrasto al fenomeno criminale di massa risulta essere il fulcro del problema della politica criminale del nostro tempo e sarà oggetto di questa analisi.
[EN] The criminal law for the enemy theory - A contemporary debate on the balance between the necessary fight against mass criminal phenomena and the protection of human rights. In this thesis we present a criminal policy‘s theory called criminal law for the enemy and the paths that make could possible the formal and material justification of the statutes based on it‘s values. To do so, we research the philosophical and sociological sources of this theory, and the specifics of some kinds of contemporary criminality that can be pointed as the reason of creating this new kind of criminal system‘s responses as well, from various countries, but especially from Spain, Italy and Brazil. This theory summarizes the ideas and the guidelines that lay behind all kinds of statutes made in order to fight organized crime and terrorism. As a matter of fact, the criminal law for the enemy theory has being studied and criticized for the last eighteen years in Europe continental criminal law, but until now there isn‘t a clear compatibility between the major part of the researchers‘ thought about it and the statutes made on its logic. For instance, even if a successful statute created in order to attack some kind of international mob criminal activity, provides the possibility to the police of arresting its soldiers and bosses, and confiscating it‘s illegal properties (as the Italian 90‘s anti-mafia statutes), this kind of regulation is very often classified as a sort of violation of fundamental rights just because it‘s establishes a harder regulation on the mob than to the rest of the other criminals, non associated with this kind of activity. In the first part of this research we try to understand the philosophic origins and the sociologic content of the criminal law for the enemy theory in order to provide a valid theoretical background to the statutes based on it. In the second part, we analyze systematically those statutes seeking for real violations of human rights or any kind of inhuman response to organized crime and terrorism, in order to identify it and propose alternative regulations, able to fight effectively against crime, but not violating that sort of rights. Must be pointed that, because of the recent growth of terrorist and organized transnational crime activities, this topic is right now in the core of the criminal law‘s and criminal policy‘s discussions around the western world, and due to the lack of a consensus between the major part the lawyers and the social need to control mass criminal activities, it will be the capital problem of the contemporary criminal policy for a while.
[PT] O tema do presente trabalho é o movimento de política criminal contemporânea denominado de Direito Penal do inimigo, analisado sob um enfoque crítico. O estudo se concentrará em identificar suas características, seu real significado sociológico, examinar a coerência interna de seus postulados, observar a efetividade das medidas que propõe, compreender as consequências dogmáticas e político criminais da adoção de seus institutos e examinar a viabilidade de seu modelo de resposta penal em relação à Constituição, ao modelo de Estado Democrático de Direito, e aos valores que integram a sistemática do ordenamento jurídico penal infraconstitucional. Para compreender o referido modelo político-criminal devemos tecer breves considerações acerca da contemporaneidade. Nas sociedades ocidentais atuais, marcadas por altos índices de complexidade em suas relações, há a constante possibilidade de se gerar danos sociais de graves proporções a partir de condutas individuais. As condições sociais atuais geram uma superprodução de riscos a toda a coletividade, o que faz com que sociólogos como Ulrich Beck nomearem nossa sociedade como sociedade de risco. Na contemporaneidade, os riscos não são só dados periféricos a qualquer análise social, mas se converteram no centro das atenções, justamente porque representam uma das principais forças de mobilização política. Assim, nasce a necessidade de criação de mecanismos de controle de riscos mais eficientes e complexos, adequados às características atuais das sociedades de nossos tempos. Sociólogos informam que ―a partir de um ponto de vista secular, o cálculo dos riscos representa o ponto central de um programa de minimização do arrependimento‖ vinculado à falta de precaução na gestão e previsão de danos sociais. Uma das consequências das referidas características sociais atuais, manifestada no âmbito da política criminal, é a adoção de medidas de recrudescimento do tratamento penal em determinados casos, o que fez com que Günther Jakobs nomeasse o referido movimento legislativo de Direito Penal do inimigo, em um primeiro momento, e posteriormente o identificasse como uma resposta normativa eficiente aos novos desafios da política criminal contemporânea, que objetiva a redução de riscos. De acordo com Jakobs, o Poder Legislativo deve dividir o tratamento penal em dois tipos: um, mais leve, destinado aos cidadãos que praticam delitos ocasionalmente, e outro, mais rigoroso, destinado a quem chama de inimigos, pessoas que segundo ele se distanciaram do Direito, destinado à neutralização dos riscos que elas representam à sociedade. O referido tipo de resposta penal examinado aqui faz referência a fenômenos criminais como o crime organizado, ação de grupos armados e organizações terroristas, e não a fenômenos criminais corriqueiros e de pouca lesividade social. Jakobs é cuidadoso ao delimitar o âmbito de suas considerações nesse sentido. Jakobs indica algumas das características do modelo que observa/propõe, em contraposição ao Direito Penal tradicional: ampla progressão dos limites de punibilidade, abandono do enfoque do fato realizado, para levar-se em consideração a periculosidade do seu autor e os atos criminais que pode praticar (em semelhança aos tipos penais de formação de quadrilha e associação para o tráfico de drogas).
URI : http://hdl.handle.net/10366/137121
Aparece en las colecciones: TD. Ciencias sociales
DDPG. Tesis del Departamento de Derecho Público General

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción Tamaño Formato  
DPG_PedrolliSerretti_Enemigo.pdfTesis doctoral6,04 MBAdobe PDFVista previa
Visualizar/Abrir
DPG_PedrolliSerretti_EnemigoResumen.pdfResumen portugués670,38 kBAdobe PDFVista previa
Visualizar/Abrir


Este ítem está sujeto a una licencia Creative Commons Licencia Creative Commons Creative Commons